tia lili topo
Vitória no tribunal

Sette Câmara trata como 'emblemática' extinção da ação de Bolt contra Galo na Justiça

Presidente do Atlético acrescentou que acredita na manutenção da condenação ao atacante

25/11/2020 10h06
Por: Ricardo Chaves

Por Itasat

O presidente do Atlético, Sérgio Sette Câmara, comemorou a extinção da ação do atacante Maicon Bolt na Justiça do Trabalho. Por meio de um vídeo divulgado na TV Galo, o dirigente enalteceu o trabalho do departamento jurídico do Alvinegro.

"Tivemos hoje uma decisão muito importante, proferida pelo Tribunal Regional do Trabalho. Temos que dar os parabéns ao meu querido vice-presidente, Lásaro Cândido, como sempre, a frente de tudo, aos advogados contratados pelo clube. Acredito que essa é mais uma demonstração da capacidade e competência do nosso departamento jurídico. Tudso aqui no Atlético é feito com muito carinho, com muita atenção e competência, disse. 

Na sequência, Sette Câmara tratou a reversão do Galo na Justiça como um caso "emblemático". O presidente do Galo também disse confiar na manutenção da condenação a Maicon Bolt, que ainda é passível de recurso.

"Esse caso é emblemático e é mais um que nós conseguimos reverter a favor do Atlético. Ainda não acabou. Ainda existem recursos para o Tribunal Superior do Trabalho [TST], em Brasília. Mas nós continuamos confiantes que essa decisão será mantida. E o jogador, como já ficou fixado na decisão de hoje, será condenado a pagar um percentual de 15% do que ele havia pleiteado", completou o presidente do Galo.

Entenda o litígio entre Atlético e Bolt

No fim de agosto deste ano, Bolt teve uma vitória na Justiça do Trabalho, que condenou o Atlético a pagar R$ 14,2 milhões ao jogador. Em outubro, a Justiça determinou que o clube alvinegro pagasse o valor em até 48 horas sob o risco de penhora de receitas de TV e de patrocínio. Na mesma semana, o Galo obteve uma liminar que suspendeu a obrigatoriedade do pagamento.

O valor da condenação ficou abaixo do que Bolt pedia inicialmente. O atacante entrou com a ação trabalhista exigindo R$ 21 milhões por salários e direitos de imagem relativos a novembro de 2019, dezembro de 2019 e janeiro de 2020, FGTS, 13º proporcional, luvas, premiações, multas, indenizações, além do recebimento de valores que teria direito até o fim do contrato que, no entendimento dele, iria até dezembro de 2021.

Desde então, o Galo pleiteava o processo trabalhista fosse extinto, uma vez que foi firmado no contrato entre o clube e Bolt a eleição da Câmara Nacional de Resoluções de Disputas, a CNRD, como órgão para a resolução de litígios. Já para Filipe Rino, advogado de Bolt, o impasse jurídico entre Galo e o jogador deveria ser resolvido na Justiça do Trabalho, justamente a alternativa extinta na tarde desta terça-feira, que acresceu o pagamento de 15% de honorários pelo jogador ao clube.