Principal 1
Principal 2
Prefeitura Sete Lagoas home
Principal 4
Principal 6
Principal 3
Principal 5
AMÉRICA

Lisca é suspenso por dois jogos por reclamar de gol do América validado e depois anulado contra Ponte

Treinador foi julgado por infração ao artigo 258, inciso II, do CBJD

19/01/2021 10h24
Por: Ricardo Chaves

´Por Itasat

Em julgamento realizado nesta segunda-feira na Primeira Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), o técnico Lisca, do América, foi suspenso por dois jogos. De acordo com o STJD, o treinador foi punido por desrespeitar a arbitragem após o empate por 1 a 1 do Coelho contra a Ponte Preta, no Independência, no dia 7 de novembro, pela 20ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Ainda cabe recurso da decisão.

O treinador foi julgado por infração ao artigo 258, inciso II, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), que fala em “desrespeitar os membros da equipe de arbitragem, ou reclamar desrespeitosamente contra suas decisões”. A pena prevista era de uma a seis partidas.

Lisca ficou indignado com a arbitragem depois que o América marcou o que poderia ser o gol da vitória por 2 a 1 sobre a Ponte, aos 45 minutos do primeiro tempo. O árbitro Eduardo Valadão, de Goiás, e os dois auxiliares validaram o gol de Felipe Azevedo. Mas, logo depois, o juiz voltou atrás na decisão e anulou a jogada, alegando que a bola teria tocado no braço de Rodolfo antes de entrar.

Como não há árbitro de vídeo (VAR) na Série B, Lisca se revoltou e quis saber da arbitragem de quem partiu a decisão de anular o gol. Após as reclamações, o treinador foi expulso por Eduardo Valadão. Durante o julgamento no STJD, nesta segunda-feira, o técnico americano se justificou.

“Um gol totalmente legal e a minha dúvida que ainda não consegui entender é quem anulou o gol. Quem interferiu e anulou o gol. Não ofendi ninguém e só disse que meu time estava sendo prejudicado e falei que depois são promovidos. Já participei de vários campeonatos que os juízes erram e acabam crescendo na competição e sendo promovidos”, disse Lisca.

“Nossos árbitros precisam ter melhores condições. Foi só uma constatação de que fiz ao longo na minha carreira. Acho que a profissionalização acabaria com isso e não promoveríamos mais quem tanto erra. Fui perguntar e fazer uma reclamação de um erro grotesco que nos custaram dois pontos na briga pelo título. Ofensas eu realmente controlo muito para não ter uma pena agravada nos julgamentos”, completou.

O advogado do América, Henrique Saliba, também tentou minimizar a situação. “Uma reclamação corriqueira e dentro dos limites. Um treinador incomodado por um gol anulado. Um vocabulário comum praticado dentro de uma partida, mas que não se dirige contra o árbitro e sim de forma geral contra a marcação da arbitragem. A prova de vídeo mostrou que a reclamação foi razoável. Reclama, mas não se demonstra descontrolado e falando palavrões. Se houve uma infração disciplinar a conduta já foi punida com a expulsão e o cumprimento da suspensão automática. O América luta ponto a ponto pelo título da Série B e tirá-lo traria um prejuízo técnico imensurável e não justificaria uma pena maior”, afirmou.

No entanto, o relator do processo, o auditor Fernando Cabral Filho, votou para punir Lisca em duas partidas de suspensão. A maioria dos auditores concordou com a aplicação da pena.

Caso o América não consiga um efeito suspensivo, Lisca desfalcará o América à beira do campo nas partidas contra o Brasil de Pelotas (nesta terça-feira, no estádio Bento Freitas), pela 36ª rodada da Série B, e diante do Confiança (no sábado, no estádio Batistão), pela penúltima partida da competição.