Espetbet dois
Auto Rodas
Espetbet 4
Casa da Arte
Otica Santa Luzia
Escritório Jucema
Quality Optcas
Agrotop Novo
Carioca
Ótima
Sicoob
Dinheiro por Jóias
Ótica Pontual
Chama!!!
Espetbet
Cooperlíder Proteção Veicular
Forte vidros dois
Torneamento São Geraldo
Clinica Dois
Breno Campolina
Espetbet três
Digital Graph
Ramses
Espetbet 6
Arnaldo Radiadores
Homeopatia São Lucas
Espetbet 1
Loctem dois
ALÍQUOTA

Estados decidem encerrar congelamento de ICMS sobre combustíveis

Assim, a partir de 1º de fevereiro, esse valor poderá sofrer variações novamente

15/01/2022 09h39
Por: Redação

Por Itasat

O Comitê Nacional de Secretários da Fazenda (Comsefaz) divulgou nesta sexta-feira, 14, que vai encerrar o congelamento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os combustíveis na data originalmente prevista de 31 de janeiro. Assim, a partir de 1º de fevereiro, esse valor poderá sofrer variações novamente. Minas Gerais deu voto contrário à medida pois queria manter o congelamento.  

O governador do Piauí e coordenador do Fórum Nacional de Governadores, Wellington Dias, divulgou nota com a seguinte afirmação: "Fizemos a nossa parte com o congelamento do preço de referência para ICMS, mas não valorizaram este gesto concreto, não respeitaram o povo. A resposta foi aumento, aumento mais aumento nos preços dos combustíveis."

Ele considerou ainda que os aumentos da gasolina e do diesel têm servido apenas para "aumentar os lucros da Petrobras" e cobrou uma solução definitiva para os combustíveis por meio da reforma tributária. "A maioria dos Estados votou para manter a regra do congelamento somente até o fim de janeiro, considerando o fechamento do governo federal para o diálogo e os sucessivos aumentos dos combustíveis, sem preocupação com o impacto econômico e social", completou.

Parte dos secretários considerava que a medida já foi suficiente para mostrar que o presidente Jair Bolsonaro estava errado em culpar os Estados pela alta dos preços da gasolina e do diesel. Outra parte avaliava que não seria ideal reativar o cálculo do tributo em pleno ano eleitoral.

Antes do congelamento, o ICMS incidia sobre o preço médio ponderado ao consumidor final, que é reajustado a cada 15 dias.

Cada Estado tem competência para definir a alíquota. Segundo dados da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis (Fecombustíveis), ela varia entre 25% e 34% na gasolina, dependendo do Estado. Mesmo com o ICMS estagnado desde 1º de novembro, o preço dos combustíveis continuou a subir nos postos.

O preço final dos combustíveis é composto pelo valor cobrado pela Petrobras nas refinarias (atrelado ao preço do barril do petróleo no mercado internacional e ao câmbio), mais tributos federais (PIS/Pasep, Cofins e Cide) e estaduais (ICMS), além das margens de distribuição e revenda e do custo do biodiesel, no caso do óleo diesel, e do etanol, na gasolina.