Cartão de Todos
Almix
Sicoob
Torneamento São Geraldo
Motociclista use capacete
Locmaqfer
Arnaldo Radiadores
Escritório Jucema
IPTU PRORROGADO
Casa da Arte
Breno Campolina
Loctem
Ramses
Ronaldo Cardans
Auto Rodas
Ótica Pontual
Digital Graph
Chama!!!
Evite Queimadas!
Otica Santa Luzia
Forte Vidros
Helton Vidro Car
Homeopatia São Lucas
Cooperlíder Proteção Veicular
Quality Ópticas
Dinheiro por Jóias
Ótima
adesão na otan

Finlândia quer adesão 'sem demora' na Otan e Rússia fala em 'ameaça'

Decisão do país deve ser oficializada nos próximos dias e foi impulsionada pela invasão da Rússia à Ucrânia

13/05/2022 10h07
Por: Redação

Por Itasat

O presidente e a primeira-ministra da Finlândia se declararam favoráveis, nesta quinta-feira (12), a uma adesão "sem demora" à Organização do Tratado do Atântico Norte (Otan) e afirmaram que a decisão do país nórdico será anunciada, a princípio, no domingo (15).

A Rússia reagiu imediatamente à notícia e considerou que, "sem dúvida", será uma ameaça para o país, nas palavras do porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

"A ampliação da Otan e a aproximação da Aliança de nossas fronteiras não tornam o mundo nem o nosso continente mais estáveis e seguros", disse Peskov à imprensa.

A candidatura finlandesa é uma consequência direta da guerra na Ucrânia e provavelmente será imitada por uma demanda similar da Suécia, aguardada para os próximos dias.

"Ser membro da Otan reforçaria a segurança da Finlândia. Como membro da Otan, a Finlândia também reforçaria a Aliança em seu conjunto. A Finlândia deve ser candidata à adesão sem demora", afirmaram, em um comunicado publicado nesta quinta-feira (12), o presidente Sauli Niinistö e a primeira-ministra Sanna Marin.

O secretário-geral da Otan, o norueguês Jens Stoltenberg, deu boas-vindas ao passo dado pela Finlândia e garantiu que sua candidatura "seria recebida calorosamente na Otan e o processo seria fluido e rápido".

Assim como muitos membros da Otan, o chanceler alemão Olaf Scholz expressou seu "apoio total" à Finlândia, enquanto a Presidência da França disse respaldar "plenamente a decisão soberana" do país nórdico.

Os dois líderes finlandeses pretendem conceder uma entrevista coletiva no domingo sobre "decisões que envolvem a política em termos de segurança da Finlândia", no que será o momento de oficializar o pedido.

A posição de ambos estabelece a tendência do país, que tem uma fronteira de 1.300 quilômetros com a Rússia, com a qual tem um passado de guerras.

Atualmente, 76% dos 5,5 milhões de finlandeses se declaram favoráveis à adesão, de acordo com uma pesquisa publicada na segunda-feira. Antes da guerra na Ucrânia, o apoio era de 25%.

'Olhem-se no espelho'

No Parlamento finlandês, a maioria dos 200 deputados também é favorável. Os legisladores se reunirão na segunda-feira para examinar a proposta do governo e votar posteriormente, informou o presidente da Câmara, Matti Vanhanen.

"Aderir à Otan não é uma decisão que vai contra ninguém", disse o presidente finlandês na quarta-feira, em uma resposta às advertências da Rússia sobre o tema.

Para ele, que durante anos apostou em um diálogo Leste-Oeste, a Rússia só pode culpar a si mesma ao observar a união do país vizinho à Aliança.

"Se aderimos à Otan, minha resposta à Rússia seria: 'Vocês provocaram isso, olhem-se no espelho'", disse o presidente.

"Senhor Putin, uma das coisas que você disse foi que não queria uma Otan forte em seu flanco ocidental. Isso é o que você vai ter", disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby, ao se referir a uma aliança "que está ganhando força" e "capacidade de dissuasão".

Senadores democratas e republicanos dos Estados Unidos prometeram nesta quinta-feira agir rapidamente para apoiar o pedido da Finlândia. É "um grande passo para o futuro da segurança transatlântica", tuitou o líder da bancada republicana, Jim Risch.

Submetida a uma neutralidade forçada por Moscou durante a Guerra Fria, a Finlândia aderiu à União Europeia (UE) e à Parceria para a Paz da Otan após o fim da União Soviética, mas não é membro da Aliança. 

A Finlândia foi uma província russa (1809-1917) e também foi invadida pela União Soviética em 1939.

"Esperamos que a Suécia, nossa parceira, chegue à mesma conclusão que nós, e possamos ser candidatos juntos", disse o ministro da Defesa da Finlândia, Antti Kaikkonen.

A Suécia, que também permaneceu à margem de alianças militares por décadas, provavelmente anunciará sua candidatura de adesão após uma reunião do Partido Social-Democrata, da primeira-ministra Magdalena Andersson, prevista para o domingo. 

Os dois países estão preocupados com a reação russa ao pedido de adesão e vêm tentando obter garantias de segurança para os meses prévios à entrada formal na Aliança. Uma prova disso são os acordos assinados na quarta-feira com o Reino Unido para assistência mútua.

Para entrada efetivamente na Aliança, os parlamentos dos 30 países-membros devem ratificar a adesão dos novos integrantes, um processo que pode levar meses.

Enquanto isso, os dois países, ambos membros da UE, também podem se sentir respaldados pelo artigo 42.7, que prevê a assistência mútua nos tratados europeus, destacou o ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto.