Agro loc
Clinica Dois
RR MÍDIA 3
Loc moral
Chama!!!
Espetbet 1
Espetbet 4
Espetbet 6
Otica Santa Luzia
Ótima
Escritório Jucema
Cooperlíder Proteção Veicular
Homeopatia São Lucas
Torneamento São Geraldo
Ótica Pontual
Digital Graph
Forte vidros dois
Espetbet dois
RR 2023 02
Ramses
Ronaldo Cardans
Carioca
Arnaldo Radiadores
Breno Campolina
Sicoob
Loc moral 3
Espetbet três
Espetbet
Auto Rodas
Agrotop Novo
Loctem dois
Esportes

STJD julgou e puniu 13 de 19 casos sobre atos discriminatórios em 2022

Atos de injúria racial e cânticos homofóbicos lideram as denúncias

17/01/2023 12h55
Por: Redação
Fonte: Agência Brasil
© Tania Rego/Agência Brasil
© Tania Rego/Agência Brasil

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) divulgou um relatório sobre o combate ao preconceito ao longo de 2022. Dos 19 casos denunciados ao STDJ ao longo da última temporada, 13 deles resultaram em punição após julgamento. De acordo com a entidade, a soma das penas aplicadas chega a R$ 335 mil em multas e o total de cinco partidas e 370 dias de suspensão aos clubes e infratores. 

Das 19 denúncias feitas ao STDJ, seis foram de injúria racial, 11 de cânticos homofóbicos e dois de cunho sexista. 

No ano passado, o número de casos de injúria racial, especificamente, dobrou em relação ao ano anterior. O aumento na incidência desse tipo específico de ato discriminatório não surpreendeu Marcelo Carvalho, diretor do Observatório da Discriminação Racial no Futebol (ODRF) 

"Foi o ano que o futebol voltou do período de pandemia, sem torcedores nos estádios, e o futebol volta mais violento, com mais casos de discursos de ódio dentro e fora das quatro linhas", explicou Carvalho em entrevista ao programaStadiumdaTV Brasil. 

A estatística do STJD tem como base os casos denunciados nas partidas de todas as competições organizadas pela CBF e que envolvam ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência.

"Isso é inadmissível. Precisamos cada vez mais trabalharmos em conjunto com todas as organizações para que o racismo não entre dentro do futebol. O racismo não pode existir em lugar algum da sociedade, mas no esporte que é um instrumento de socialização, jamais. Estamos agora crendo que com a mudança da lei assinada pelo presidente da República [Luiz Inácio Lula da Silva], que equipara racismo à injúria racial , com um olhar mais atento do STJD e com trabalho que começou em 2022 na CBF, creio que temos tudo para avançar no combate ao racismo", acredita o diretor do ODRF.

Foto: Reprodução/Agência Brasil
Foto: Reprodução/Agência Brasil

Ouça na Rádio Nacional