Distribuidora Ribeiro
Banner Home
Inauguração

Em terreno doado pela Prefeitura e verba do Governo de Minas, obra da nova sede do 25º BPM será inaugurada nesta terça-feira

Deputado estadual mais uma vez pega 'carona' e publiciza como se fosse ele o responsável pela obra

29/06/2020 19h49Atualizado há 2 semanas
Por: Redação

Com PR.

Iniciadas em 2015, as obras da nova sede do 25º Batalhão da Polícia Militar, no bairro Nova Cidade, enfim estão concluídas. A construção vai receber boa parte da estrutura da corporação e foi edificada com recursos do Governo de Minas e ainda doações da comunidade.

Continua depois da publicidade

A Prefeitura de Sete Lagoas também foi fundamental nesta realização, já que doou o terreno para o projeto.

A inauguração será nesta terça-feira(30).

 A Polícia Militar transmite ao vivo via redes sociais.

 

A nova sede do 25º BPM fica em uma área estratégica da região leste de Sete Lagoas. A área, doada pela Prefeitura nas esquinas das avenidas Prefeito Alberto Moura (Perimetral) e José Sérvulo Soalheiro, atendeu todas as exigências do Estado e, por isso, os recursos foram liberados mediante apresentação de projetos.

Porém, a falta de representatividade da cidade em esferas estaduais provocou uma pesada demora na liberação dos recursos, via emenda parlamentar. Foram cinco anos até a chegada desta fase final. Entre 2018 e 2019, por exemplo, a obra ficou parada sem sequer receber um tijolo.

Outra considerável ajuda para a obra veio da própria comunidade: entidades, comércios e instituições financeiras doaram material de construção, que garantiram diversas etapas da obra.

Porém, mais uma vez o deputado que representa Sete Lagoas e região, Douglas Melo, tenta pegar corona em um projeto prestes a virar realidade graças a uma parceria de três partes: Prefeitura, Estado e sociedade. Em mídias do seu grupo circulam notícias de que tal obra foi realizada “com recursos do deputado”, tentando desconsiderar que a maioria do investimento veio dos impostos pagos pelos cidadãos.

Falta de representatividade política na esfera estadual provocou atraso em obra que durou cinco anos.