IPTU PRORROGADO
Digital Graph
Almix
Arnaldo Radiadores
Ronaldo Cardans
Chama!!!
Agrotop 3
Ótica Pontual
Cooperlíder Proteção Veicular
Breno Campolina
Espetbet
Casa da Arte
Loctem
Auto Rodas
Sicoob
Quality Ópticas
Ramses
Motociclista use capacete
Homeopatia São Lucas
Torneamento São Geraldo
Espetbet três
Locmaqfer
Otica Santa Luzia
Escritório Jucema
Ótima
Dinheiro por Jóias
Espetbet dois
itália

Professora é condenada a seis anos de prisão por ter filho com aluno de 15 anos

Considerada culpada por atos sexuais e violência sexual por indução a menor

18/05/2022 10h29
Por: Redação

Por Itasat

O Tribunal de Apelação de Florença confirmou nesta terça-feira (17), a condenação em primeiro grau de uma professora da cidade de Prato por ter tido um filho com seu aluno de 15 anos quando dava aulas particulares de inglês. A mulher, agora com 34 anos, foi considerada culpada por atos sexuais e violência sexual por indução a menor e sentenciada a seis anos, cinco meses e 15 dias de prisão.

Já o marido da professora, que havia sido condenado a um ano e oito meses por ter atribuído a paternidade da criança apesar de saber que, segundo as hipóteses da acusações, não era dele, foi absolvido. As identidades não foram reveladas.

As decisões foram tomadas após uma única audiência realizada manhã de ontem perante ao tribunal de Florença e no final de uma reunião do conselho que durou cerca de uma hora e meia. As sentenças foram lidas pela juíza Anna Maria Sasso.

O casal assistiu a toda a audiência e depois saiu sem deixar declarações. Os defensores, os advogados Mattia Alfano e Massimo Nistri, que haviam pedido a absolvição de seus clientes, comemoraram, apesar da condenação da italiana.

"Estamos felizes pelo resultado de um pai que não fez nada além de dar seu amor para um recém-nascido. Certamente esperávamos algo mais para sua esposa, estamos aguardando os motivos, convencidos da bondade de nossa reconstrução e vamos recorrer ao Supremo Tribunal", disseram.

A investigação foi iniciada em 2019 a partir de uma denúncia dos pais do menino que souberam, após o filho ter desabafado com um treinador, da existência da relação entre o filho e a professora.

O teste de DNA atribuiu ao adolescente a paternidade da criança da mulher, que, após a polêmica e o inquérito, foi colocada em prisão domiciliar.