Torneamento São Geraldo
Casa da Arte
Agrotop 3
Auto Rodas
Almix
Breno Campolina
Sicoob
Arnaldo Radiadores
Dinheiro por Jóias
Espetbet três
Ótima
Quality Ópticas
Espetbet dois
Locmaqfer
Ronaldo Cardans
Motociclista use capacete
IPTU PRORROGADO
Digital Graph
Chama!!!
Otica Santa Luzia
Cooperlíder Proteção Veicular
Espetbet
Ótica Pontual
Loctem
Ramses
Homeopatia São Lucas
Escritório Jucema
aliança

Em meio à guerra na Ucrânia, Finlândia e Suécia entregam pedidos de adesão à Otan

Países escandinavos precisam derrubar resistência da Turquia

18/05/2022 10h37
Por: Redação

Por Itasat

Os governos de Finlândia e Suécia entregaram nesta quarta-feira (18), em Bruxelas, seus pedidos de adesão à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), marcando o fim de uma histórica política de neutralidade dos dois países escandinavos em relação ao Ocidente e à Rússia.

As candidaturas foram entregues pelos embaixadores de Helsinque e Estocolmo ao secretário-geral da aliança militar, Jens Stoltenberg, que definiu este momento como "histórico" e disse esperar concluir o processo de adesão "rapidamente".

"Os aliados agora vão avaliar os próximos passos de seu caminho para a Otan", declarou o norueguês. Se for confirmada, essa será a maior expansão da aliança euro-atlântica desde 2004, quando sete países do antigo bloco comunista (Bulgária, Eslováquia, Eslovênia, Estônia, Letônia, Lituânia e Romênia) se juntaram à organização.

Além disso, a ampliação vai praticamente dobrar a fronteira entre Otan e a Rússia, já que a Finlândia compartilha cerca de 1,3 mil quilômetros de divisa terrestre com o maior país do mundo.

"Todos os membros concordam com a importância da ampliação da Otan. Concordamos que precisamos ficar juntos e que este é um momento histórico", garantiu Stoltenberg.

Para entrar na Otan, Finlândia e Suécia precisam de aprovação unânime dos Estados-membros, mas enfrentam resistência da Turquia, que as acusa de dar guarida a supostos "terroristas" curdos.

"Não podemos dizer 'sim'. Apoiar o terrorismo e pedir nosso apoio é uma falta de coerência", disse nesta quarta o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Stoltenberg, por sua vez, garantiu que "os interesses de segurança de todos os aliados serão levados em conta". "Estamos determinados a trabalhar através de todos os assuntos e chegar a uma conclusão rápida", ressaltou.

Os dois países escandinavos abandonaram sua histórica condição de neutralidade militar entre o Ocidente e a Rússia após a invasão à Ucrânia, iniciada pelas tropas de Moscou em 24 de fevereiro.

A guerra movida pelo regime de Vladimir Putin levantou temores de ataques contra outros países europeus que hoje não fazem parte da Otan, como é o caso da própria Ucrânia.