Ramses
Ótica Pontual
Escritório Jucema
Espetbet
Espetbet dois
Espetbet 1
Homeopatia São Lucas
Arnaldo Radiadores
Quality Optcas
Otica Santa Luzia
Sicoob
Casa da Arte
Auto Rodas
Dinheiro por Jóias
Espetbet 4
Breno Campolina
Espetbet 6
Forte vidros dois
Loctem dois
Digital Graph
Agrotop Novo
Ótima
Cooperlíder Proteção Veicular
Chama!!!
Espetbet três
Torneamento São Geraldo
Clinica Dois
Carioca
bioimpressão 3d

Hospital regenera tecidos com bioimpressão 3D

Em 30 minutos, o equipamento imprime um tecido composto de células-tronco para tratar lesões graves de pele

04/08/2022 09h23
Por: Redação

Com Itasat

Lesões de pele grave acabam de ganhar um novo aliado. Trata-se de uma técnica que reduz drasticamente o tempo de tratamento, já que usa células-tronco coletadas da região abdominal do paciente para sintetizar, em uma bioimpressora 3D, o tecido que será usado para recuperar a área afetada.

O Hospital Nove de Julho, de São Paulo, acaba de completar dois procedimentos cirúrgicos com essa tecnologia. Bruno Pinto, diretor geral do Hospital Nove de Julho, destaca que a reabilitação e a qualidade da regeneração são muito vantajosas para os pacientes. “Além disso, os médicos agora têm mais uma solução para alcançar um melhor desfecho clínico.”

O método pode ser utilizado para o tratar lesões de pele e feridas mais complexas, como úlceras do pé diabético, queimaduras e câncer de pele. Como usa material genético autólogo — ou seja, que é obtido do próprio paciente —, o risco de rejeição é menor do que com outros materiais.

Os primeiros pacientes tratados em São Paulo tinham lesões graves decorrentes de pé diabético e de acidente de trânsito com feridas complexas na pele. O equipamento e o kit de tratamento são aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e por suas equivalentes nos EUA (Administração de Alimentos e Medicamentos, a FDA) e na Europa (Agência Europeia de Medicamentos, a EMA).

Como é a bioimpressão

Inicialmente, um software captura a imagem da região afetada. Em seguida, ele a envia para a bioimpressora 3D que, em 30 minutos, é capaz de finalizar a criação do tecido que será usado na região lesionada. A máquina fica dentro do centro cirúrgico.

As células-tronco obtidas da região abdominal do paciente são microfiltradas e misturadas com cola natural de fibrina. Para a sintetização do tecido, a bioimpressora 3D primeiro faz uma base. O novo tecido é construído em camadas sobrepostas de células-tronco e a cicatrização leva cerca de 30 dias.

Heron Werner, coordenador do Biodesign Lab da PUC-Rio, que pesquisa bioimpressão, inteligência artificial e metaverso na saúde, lembra que a técnica inclui muitos avanços de última geração da medicina e da ciência. “Ela une biotecnologia de alta qualidade com recursos computacionais e de inteligência artificial de ponta”, explica.

Quando tratadas de forma convencional, algumas lesões podem necessitar de até seis meses de terapia e não ter resultados satisfatórios. “Neste primeiro momento, vamos evitar muitas amputações, principalmente em pacientes portadores de pés diabéticos e com feridas de difícil tratamento”, explica Maurício Pozza, sócio-proprietário da 1000Medic, que trouxe a tecnologia para o Brasil.