Ramses
Torneamento São Geraldo
Clinica Dois
Sicoob
Quality Optcas
Digital Graph
Arnaldo Radiadores
Chama!!!
Otica Santa Luzia
Breno Campolina
Forte vidros dois
Espetbet 6
Cooperlíder Proteção Veicular
Ótima
Ótica Pontual
Espetbet dois
Dinheiro por Jóias
Espetbet
Auto Rodas
Espetbet 4
Carioca
Casa da Arte
Homeopatia São Lucas
Espetbet 1
Loctem dois
Espetbet três
Ronaldo Cardans
Agrotop Novo
Escritório Jucema
Eleições em Minas

Datafolha: Zema tem 53% das intenções de voto, Kalil tem 25% e Viana 5%

Levantamento mostra que vantagem entre Zema e Kalil caiu de 30 para 28 pontos em duas semanas

16/09/2022 08h32
Por: Redação

Com Itasat

O candidato à reeleição ao Governo de Minas, Romeu Zema (Novo), permanece na liderança na corrida pelo Palácio Tiradentes, com 53% das intenções de voto, conforme revela pesquisa Datafolha, divulgada nesta quinta-feira (15). Na segunda posição, aparece o ex-prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), com 25%.

Carlos Viana (PL) está em terceiro lugar, com 5% das intenções de voto. Na sequência, aparecem Vanessa Portugal (PSTU), Cabo Tristão (PMB),, Marcus Pestana (PSDB) e Renata Regina (PCB), com 1% cada. As candidatas Lorene Figueiredo (PSOL), Lourdes Francisco (PCO) e Indira Xavier (UP) não pontuaram na pesquisa.

Dos eleitores consultados pelo Datafolha, 7% declararam que vão votar em branco, anular ou que não irão votar. Outros 7% disseram não saber em quem votar.

Confira o percentual de cada candidato:

Romeu Zema (Novo): 53%

Alexandre Kalil (PSD): 25%

Carlos Viana (PL): 5%

Vanessa Portugal (PSTU): 1%

Cabo Tristão (PMB): 1%

Marcus Pestana (PSDB): 1%

Renata Regina (PCB): 1%

Em branco/nulo/nenhum: 7%

Não sabe: 7%

Pesquisa anterior

A pesquisa Datafolha desta quinta-feira (15), mostra que Zema oscilou um ponto percentual para cima. No levantamento divulgado no dia 1º de setembro, o atual governador tinha 52% das intenções de voto - e tem 53% agora. Já Kalil subiu três pontos, passando de 22% para 25% das intenções de voto nas últimas duas semanas. Carlos Viana tinha 4% das intenções de voto e, agora, tem 5%.