Carioca
Espetbet 6
Digital Graph
Agro loc
Espetbet dois
Breno Campolina
Espetbet três
Arnaldo Radiadores
Escritório Jucema
Torneamento São Geraldo
Ramses
Clinica Dois
Agrotop Novo
Loc moral 3
Espetbet 1
RR MÍDIA 3
Loc moral
RR 2023 02
Chama!!!
Espetbet 4
Forte vidros dois
Ronaldo Cardans
Otica Santa Luzia
Cooperlíder Proteção Veicular
Homeopatia São Lucas
Auto Rodas
Ótica Pontual
Espetbet
Sicoob
Loctem dois
Ótima
Câmara dos Deputados

Comissão aprova projeto que dá publicidade aos direitos dos pacientes na rede hospitalar

Cleia Viana/Câmara dos Deputados Deputado Zacharias Calil, relator do projetos de lei A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Dep...

07/12/2022 19h15
Por: Redação
Fonte: Agência Câmara de Notícias
Deputado Zacharias Calil, relator do projetos de lei - (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Deputado Zacharias Calil, relator do projetos de lei - (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 11015/18, que obriga as unidades de saúde públicas e privadas a afixarem cartazes de orientação e alerta à população a respeito da omissão de socorro, em locais de fácil visualização pelos pacientes.

A proposta, do deputado Carlos Henrique Gaguim (União-TO), foi aprovada por orientação do relator na comissão, deputado Zacharias Calil (União-GO).

Pelo texto, os cartazes deverão trazer informações de esclarecimento quanto ao direito de acesso aos serviços de saúde; às prioridades de atendimento conforme a gravidade do caso; aos deveres e responsabilidades dos serviços; aos órgãos envolvidos com a apuração da omissão de socorro; e às situações que podem configurar tal omissão de socorro, como a recusa de atendimento.

Omissão de socorro
Ao apresentar o projeto, Gaguim argumentou que o desconhecimento dos pacientes sobre seus direitos e dos profissionais de saúde sobre seus deveres configura uma das principais razões para a omissão de socorro.

Zacharias Calil acrescentou que há casos de agravamentos e mortes que seriam evitáveis pela ação de profissionais de saúde no tempo adequado. “Quando o socorro não é prestado, apesar da disponibilidade e da possibilidade de atendimento, trata-se de ocorrência que não pode ser aceita. Claro que a medida proposta não resolverá todos os problemas, mas poderá contribuir nesse sentido”, afirmou.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado agora pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Saiba mais sobre a tramitação de projetos de lei