Ronaldo Cardans
Espetbet 4
Espetbet dois
Breno Campolina
Cooperlíder Proteção Veicular
Agro loc
Auto Rodas
Homeopatia São Lucas
RR MÍDIA 3
Loc moral
Ramses
Loctem dois
Arnaldo Radiadores
Digital Graph
RR 2023 02
Agrotop Novo
Espetbet
Clinica Dois
Ótima
Otica Santa Luzia
Ótica Pontual
Forte vidros dois
Chama!!!
Sicoob
Escritório Jucema
Carioca
Espetbet 1
Espetbet 6
Espetbet três
Torneamento São Geraldo
Loc moral 3
Economia

Quatro milhões de trabalhadoras domésticas estão na informalidade

Categoria considera que a fiscalização da lei e conscientização das mulheres sobre os próprios direitos são um grande desafio

25/01/2023 13h10
Por: Redação
Fonte: Agência Dino
ELAS+
ELAS+

Levantamento realizado em 2022 pelo Departamento Intersindical de Estati?stica e Estudos Socioecono?micos (Dieese) aponta que 76% dos trabalhadores dome?sticos brasileiros na?o te?m carteira assinada. Isso significa que das 5,7 milho?es de pessoas que compo?em a categoria no pai?s, 4 milho?es esta?o na informalidade.

As mulheres sa?o as mais afetadas nesse cena?rio, uma vez que representam 92% do total de trabalhadores dome?sticos. A pesquisa do Dieese tambe?m faz um recorte de rac?a e revela que 65% dessas mulheres sa?o negras.

A legislac?a?o que garante direitos trabalhistas a?s trabalhadoras dome?sticas no Brasil completa 10 anos em 2023. Uma Proposta de Emenda a? Constituic?a?o (PEC), aprovada em abril de 2013, estabeleceu a igualdade de direitos entre dome?sticas e demais trabalhadores. Antes disso, garantias como sala?rio-maternidade, auxi?lio-doenc?a, pensa?o por morte e ate? aposentadoria por invalidez ou tempo de contribuic?a?o na?o contemplavam a classe das trabalhadoras dome?sticas.

Para diretore-executive do ELAS+ Doar para Transformar, K.K. Verdade, essa cultura ainda permanece. "Apesar da mudanc?a na lei, e? preciso mudar a mentalidade a respeito do que se entende por economia do cuidado, intensificar as frentes para valorizac?a?o desse setor. Historicamente, o trabalho do cuidado recai sobre os ombros das mulheres e, devido a? heranc?a escravista e ao sistema patriarcal, sempre foi um servic?o mal remunerado, quando e? remunerado. Precisamos continuar conscientizando a sociedade de que o trabalho dome?stico e? a base para que todas as outras a?reas funcionem", concluiu.

Mobilizac?a?o

Considerada resultado de uma luta histo?rica, a PEC das Dome?sticas tambe?m levou a? aprovac?a?o de outras leis que regulamentam a profissa?o. A coordenadora geral da Federac?a?o Nacional das Trabalhadoras Dome?sticas (Fenatrad), Luiza Batista, celebra as garantias constitucionais e lembra o simbolismo da conquista. "Na?o e? fa?cil uma categoria, em que a maioria e? de mulheres negras e sem instruc?a?o, se organizar politicamente para mexer na constituic?a?o do pai?s. Mesmo com todas as dificuldades, a gente conseguiu. Mas, na?o podemos dizer que isso basta. A lei na?o e? cumprida como deveria. Precisamos tambe?m ter uma forma de fiscalizar", destacou.

A coordenadora da Fenatrad trabalhou mais de 30 anos como empregada dome?stica em Pernambuco e conta que, mesmo antes da PEC, sempre exigiu carteira assinada. Isso porque sofreu um acidente de trabalho e, sem as garantias, na?o teve nenhum tipo de respaldo durante o tempo em que precisou ficar afastada. Ela considera importante conscientizar as trabalhadoras dome?sticas sobre esses direitos. "O que precisa e? organizar para que a lei realmente funcione. Antes, tinha patra?o que descontava alimentac?a?o, material de higiene, moradia, na?o dava 30 dias de fe?rias e na?o tinha estabilidade da trabalhadora gestante. Esses direitos agora esta?o assegurados. E? isso que a gente tem que levar para as bases", avaliou.

Para marcar os 10 anos da PEC, a Federac?a?o Nacional das Trabalhadoras Dome?sticas planeja uma se?rie de atividades, ao longo do ano, para fortalecer a categoria na direc?a?o de novas conquistas. Entre as reivindicações, a implementação da Convenção da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre Trabalho Doméstico Decente, que inclui as diaristas na regulamentação da profissão. Na agenda, esta? prevista a realização da Assembleia nacional da categoria no início de fevereiro, em Brasília.