Principal 1
Principal 4
Principal 2
Principal 6
Principal 5
Novo Sete
Sete Lagoas
Principal 3
Nova faixa etária

Infectologista do comitê de BH analisa autorização da Anvisa para Pfizer em adolescentes

Autorização deixa o retorno presencial total das atividades 'mais próximo e mais seguro', analisa Carlos Starling

11/06/2021 10h18
Por: Ricardo Chaves

Por Itasat

Integrante do Comitê de Enfrentamento à covid-19 em Belo Horizonte, o infectologistas Carlos Starling analisou, em entrevista ao Jornal da Itatiaia I Edição, a autorização concedida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso da vacina anticovid-19 Comirnaty, da farmacêutica Pfizer, em adolescentes a partir dos 12 anos. 

"A autorização é extremamente importante porque passamos a ter oportunidade de proteger um número crescente de pessoas e um grupo que vem sendo muito penalizado em função do afastamento das atividades escolares presenciais, resultado da pandemia", analisou. 

Segundo Starling, a autorização faz com que a possibilidade de retorno presencial total das atividades nas escolas fique “cada vez mais próxima e mais segura". "É importantíssimo que esses grupos sejam vacinados o quanto antes, mas é preciso que haja disponibilidade de vacinas para isso acontecer", ressalta.

O infectologista ressalta que em Belo Horizonte houve ampliação do retorno presencial das aulas para crianças de até 12 anos, em "pequenos grupos".

Autorização da Anvisa 

Com a decisão da Anvisa, a bula da vacina passará a indicar esta nova faixa etária para o Brasil.  Em nota, o órgão regulador brasileiro afirma que a ampliação foi aprovada após a apresentação de estudos desenvolvidos pelo laboratório que indicaram a segurança e eficácia da vacina para este grupo.

Segundo a Anvisa, os estudos foram desenvolvidos fora do Brasil e avaliados pela agência.  

Antes, a vacina Comirnaty estava autorizada para pessoas com 16 anos ou mais. Até o momento, esta é a única entre as vacinas contra covid-19 autorizadas no Brasil com indicação para menores de 18 anos. A vacina da Pfizer foi a primeira a receber o registro definitivo para vacinas covid-19 no Brasil.