Torneamento São Geraldo
Auto Rodas
Ótima
Agrotop Novo
Carioca
Espetbet 4
Espetbet dois
Ramses
Escritório Jucema
Forte vidros dois
Espetbet
Chama!!!
Otica Santa Luzia
Loc moral
Homeopatia São Lucas
Breno Campolina
Loc moral 3
Espetbet 1
Agro loc
Clinica Dois
Ronaldo Cardans
Sicoob
Digital Graph
Espetbet 6
Cooperlíder Proteção Veicular
Ótica Pontual
Quality Optcas
Arnaldo Radiadores
Dinheiro por Jóias
Espetbet três
Loctem dois
Câmara dos Deputados

Comissão aprova projeto que autoriza assentado da reforma agrária a explorar energia renovável

Elaine Menke/Câmara do Deputados A relatora da proposta, deputada Silvia Cristina A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvi...

24/11/2022 11h25
Por: Redação
Fonte: Agência Câmara de Notícias
A relatora da proposta, deputada Silvia Cristina - (Foto: Elaine Menke/Câmara do Deputados)
A relatora da proposta, deputada Silvia Cristina - (Foto: Elaine Menke/Câmara do Deputados)

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei do Senado que permite a exploração de energia renovável (eólica, solar, hídrica e bioenergia) pelos assentados da reforma agrária, mediante autorização do Incra.

Pelo texto, a produção de energia renovável deve ocorrer de forma complementar ao cultivo da terra, e poderá ser feita diretamente pelo assentado ou por meio de contrato com terceiros. Neste último caso, a celebração de contrato será acompanhada por sindicato de trabalhadores rurais.

O Projeto de Lei 3266/21 foi relatado pela deputada Silvia Cristina (PL-RO), que deu parecer favorável. Ela afirmou que a proposta promove a justiça social e é estratégica para o setor energético.

“Passada a crise econômica, o País demandará maior quantidade de energia elétrica, sendo oportuna a autorização objeto do projeto, uma vez que a energia eólica e a solar contribuem, de forma sustentável, para a manutenção do nível das reservas hídricas das hidrelétricas”, disse Cristina.

Segurado especial
A proposta limita a área explorada com energia renovável a 30% do imóvel. A intenção é evitar que a produção energética exclua o assentado da condição de segurado especial da Previdência Social ou impeça o acesso a outras políticas públicas destinadas à atividade rural.

O texto prevê ainda, como direito dos beneficiários, a participação em 50% do valor do resultado da geração de energia, sendo o restante revertido em benefício do desenvolvimento socioeconômico e da sustentabilidade local.

As novas regras são inseridas na Lei da Reforma Agrária.

Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado agora pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ).