Espetbet 4
Auto Rodas
Loc moral 3
Agro loc
RR 2023 02
Clinica Dois
Otica Santa Luzia
Quality ópticas
Ótima
Espetbet três
RR MÍDIA 3
Escritório Jucema
Forte vidros dois
Espetbet 6
Loc moral
Suzanoo
Espetbet 1
Ramses
Loctem dois
Agrotop Novo
Cooperlíder Proteção Veicular
Homeopatia São Lucas
Espetbet dois
Espetbet
Breno Campolina
Carioca
Chama!!!
Ótica Pontual
Sicoob
Torneamento São Geraldo
Digital Graph
Saúde

Ministério da Saúde aprova plano para reduzir fila de cirurgias no SUS

Serão investidos R$ 600 milhões no programa

27/01/2023 20h20
Por: Redação
Fonte: Agência Brasil
© Marcello Casal Jr./Agência Brasil
© Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) aprovaram o Programa Nacional de Redução das Filas de Cirurgias Eletivas, Exames Complementares e Consultas Especializadas. A aprovação ocorreu nesta quinta-feira (26), durante a primeira reunião ordinária da Comissão Intergestores Tripartite (CTI) de 2023.

De acordo com o Ministério da Saúde, estão previstos R$ 600 milhões para o programa, recursos garantidos na PEC da Transição. A primeira remessa de recursos, cerca de R$ 200 milhões, será destinada a cirurgias eletivas.

“O que nós estamos debatendo com estados e municípios é um programa para combater problemas diferenciados e, pela nossa experiência, já que o SUS faz mutirão há mais de 20 anos, vamos começar pelas cirurgias, até porque, há inúmeras experiências de gestão de tecnologias nesse sentido. Ao mesmo tempo, vamos discutir, de maneira tripartite, como construir mudanças mais estruturantes. Para isso, precisamos conhecer essa fila de procedimentos e permitir que o usuário possa interagir, por meio de ferramentas de transparência”, afirmou o secretário de Atenção Especializada à Saúde (SAES), Helvécio Magalhães.

O secretário acrescentou que as metas são criar uma lista nacional dos pacientes que aguardam por procedimentos médicos, consolidar um banco de informações, regular a oferta de serviços com apoio de ferramentas, como o telessaúde, e os protocolos de acesso à atenção especializada. O secretário citou que a Região Norte terá tratamento diferenciado, em razão da difícil fixação de profissionais de saúde.

Nos próximos dias, uma portaria será publicada instituindo o programa. Com a publicação, os estados deverão encaminhar ao Ministério da Saúde os planos de trabalho para homologação e a transferência do dinheiro.