Banner Home
Distribuidora Ribeiro
Pede diálogo

Setor de eventos afirma estar pronto para retomar as atividades em BH e pede diálogo com a Prefeitura

Segundo o setor, 40% das empresas encerraram de vez suas atividades

17/09/2020 09h43
Por: Ricardo Chaves

Por Itasat

Trabalhadores do setor de eventos em Belo Horizonte estão sem entender porque a reabertura do setor de eventos ainda não foi possível na capital.

De acordo com a diretora da Associação Brasileira de Eventos, Carla Delfim, o segmento, que movimenta mais de 60 setores da economia, se sente carta fora do baralho e cerca de 40% das empresas encerraram de vez suas atividades.

"O Sebrae realizou uma pesquisa no final de abril e início de maio e nessa pesquisa constatou que 98% das empresas tiveram seus negócios impactados negativamente com a crise do covid-19. Além disso, 35% das empresas precisarão negociar créditos para que não fechassem os seus negócios. Demoraremos muito a retornar a nossa engrenagem da forma como era", explica.

Aglomeração

Quanto à possibilidade de aglomeração em eventos, a diretora afirmou que este não é um problema e que o setor está preparado.

"O setor de eventos é um setor que sempre trabalhou dentro das regras das normas com muita fiscalização, então nós nos sentimos prontos para retornar sim, porque nós já redigimos protocolos que podem ser adaptados de acordo com o nicho de negócio. Infelizmente as pessoas acham que eventos é só festa, só aglomeração, e não é. Nós gostaríamos muito que as autoridades olhassem para o setor de eventos como uma mola propulsora da nossa economia", conta.

Em nota, a prefeitura de Belo Horizonte disse que está em constante diálogo com os representantes do setor de eventos, assim como os das demais atividades ainda não autorizadas a funcionar.

A PBH ainda afirmou que "a partir de um trabalho conjunto, foram elaboradas, até o momento, propostas para protocolos de funcionamento de teatros e casas de espetáculo, exposições, congressos e seminários" e que "vai analisar os impactos nos indicadores epidemiológicos das primeiras etapas de flexibilização para definir sobre avanços na reabertura".