novo super
Sete Lagoas
Principal 3
Principal 1
Principal 6
Anuncio ramises
Principal 5
Novo Sete
Principal 2
Principal 4
Menina de oito anos

Pai vai à Justiça pedir liberação de filha que está em abrigo após fugir de casa em BH

Menina de oito anos fugiu de casa durante a madrugada após restrição sobre uso do celular

20/07/2021 09h25
Por: Ricardo Chaves

Por Itasat

Um pai luta para liberar a filha, de oito anos, que está em um abrigo. A família é moradora do bairro Cidade Nova, em Belo Horizonte. Na madrugada desse domingo (18), a menina fugiu de casa insatisfeita com as restrições impostas pelos pais sobre o uso do celular. 

Uma mulher encontrou a criança, que usava roupão e estava com alguns pertences em uma bolsa. A Polícia Militar (PM) foi acionada e levou a menina ao Conselho Tutelar. Sem conseguir precisar onde morava, ela foi encaminhada a um abrigo. 

O pai disse que a ausência de um juiz para assinar um documento na vara cível da infância e da juventude de Belo Horizonte impede que a menina seja devolvida à família. 

Ele conta que percebeu a fuga da menina na manhã de domingo. "A minha filha está viciada no telefone, o que é uma doença nos dias de hoje. A minha filha já vinha virando as noites com computador e telefone ligado. A gente começou a corrigir ela, a pegar o telefone à noite", explicou. 

"No sábado eu conversei com ela, peguei o telefone e disse: 'Você não vai ficar até 6h, 7h no celular. Você dorme e amanhã você pega o telefone outra vez'. Ela esperou a gente dormir, pegou a bolsa dela e foi embora", prosseguiu. 

"Ela é minha filha, eu quero ela de volta. Já faz dois dias que não dormimos. A gente entra em contato com a direção do abrigo, eles têm a maior má vontade, não atendem direito, não deixam entrar. É muito complicado. Como está a cabeça da minha filha? O que eles estão falando com minha filha? O melhor lugar para ela é em casa", lamentou.

O Conselho Tutelar informou que como a questão está judicializada não vai se pronunciar. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) também foi procurado, mas até a publicação da reportagem não havia respondido.