Motociclista use capacete
Torneamento São Geraldo
Evite Queimadas!
Sicoob
Digital Graph
Forte Vidros
Otica Santa Luzia
Loctem
Ronaldo Cardans
Casa da Arte
Arnaldo Radiadores
Almix
Cooperlíder Proteção Veicular
Dinheiro por Jóias
Auto Rodas
IPTU PRORROGADO
Homeopatia São Lucas
Ramses
Ótima
Cartão de Todos
Ótica Pontual
Quality Ópticas
Breno Campolina
Escritório Jucema
Chama!!!
Locmaqfer
Helton Vidro Car
DICAS IMPORTANTES

Aumenta o número de casos em que criminosos limpam contas bancárias por app: veja como se proteger

Especialista explica como ocorre esse tipo de invasão ao celular e lista 10 dicas de segurança

11/05/2022 10h15
Por: Redação

Por Itasat

Com o avanço da tecnologia, pessoas passaram a fazer transações financeiras on-line para facilitar o dia-a-dia. Porém, como consequência, o crime digital envolvendo app bancários também teve um aumento. É o que explica o delegado Renato Nunes Guimarães, titular da Divisão Especializada de Investigação aos Crimes Cibernéticos e Defesa do Consumido. Pensando nisso, o especialista explica como ocorre esse tipo de crime e, principalmente, como se proteger. 

“Em razão do maior uso dos meios digitais, temos o aumento da ocorrência de crimes virtuais e não apenas em razão de vulnerabilidades nos aplicativos bancários. Por exemplo, bancos digitais que nem existiam há 5 anos atrás, hoje possuem milhões de correntistas”, explicou.

O especialista explica que, no caso de um furto ou roubo de um smartphone, a polícia tem registro de casos onde o aparelho está bloqueado e, assim, o criminoso precisa de alguma forma mais qualificada para "quebrar" a senha e ter acesso aos dados do aparelho. 

“Essa quebra pode ser por meio de softwares específicos, caros e de difícil acesso para os criminosos -   não temos registros nesse sentido. A quebra pode ser através de engenharia social, em que o criminoso envia um link malicioso à vítima, se passando pela fabricante do aparelho ou app de busca e, desta forma, consegue acesso aos dados da vítima que estão em nuvem”, disse. 

Entretanto, ele explica que os casos mais comuns são os furtos e roubos de celulares desbloqueados e ou quando as vítimas são forçadas a passar a senha de desbloqueio.

“Nestas situações, o criminoso tem acesso direto a e-mail, grupos de mensagens, dados armazenados em blocos de notas e demais informações da vítima. O criminoso busca registros/anotações de eventuais senhas e consegue em determinados casos alterar as senhas bancárias via SMS e e-mail e, também, ter acesso aos aplicativos bancários”, disse. 

Pensando nisso, o delegado Renato Nunes Guimarães listou 10 dicas para se proteger. Confira abaixo: 

1) Sempre deixe o aparelho de telefone com bloqueio de tela e com senha difícil de ser decifrada

2) Deixe o telefone com bloqueio de tela com a opção de menor tempo possível (30 segundos)

3) Sempre deixe o sistema operacional e aplicativos atualizados. Isso melhora a segurança do aparelho e do sistema

4) Não utilize as opções de salvar ou lembrar senhas nos aplicativos

5) Não deixe informações bancárias, pessoais ou senhas salvas em bloco de notas. Se fizer, colocar nova senha e salvar em pasta segura

6) Não salve fotos de documentos ou cartões bancários em pastas não seguras e sem senhas

7) Sempre que possível utilize autenticação com biometria, reconhecimento facial e duplo fator de segurança

8) Utilizar código PIN para seu chip, isso é importante no caso do criminoso tentar usar seu chip em outro aparelho

9) Não colocar seu número de telefone ou e-mail como fator de dupla autenticação, dar preferência a app autenticadores

10) Seu celular foi furtado/roubado, procure apagar os dados do celular remotamente, via aplicativo do fabricante do telefone ou outros aplicativos, conforme  o sistema operacional usado. 

Comunique, em seguida, a operadora do telefone. Avise os seus bancos, principalmente se tiver um app bancário instalado no aparelho. Busque alterar suas senhas de redes sociais e demais aplicativos instalados no aparelho subtraído.