Auto Rodas
Homeopatia São Lucas
IPTU PRORROGADO
Ótima
Agrotop 3
Torneamento São Geraldo
Sicoob
Escritório Jucema
Locmaqfer
Quality Ópticas
Cooperlíder Proteção Veicular
Breno Campolina
Otica Santa Luzia
Espetbet
Ronaldo Cardans
Ramses
Casa da Arte
Motociclista use capacete
Espetbet dois
Ótica Pontual
Espetbet três
Digital Graph
Chama!!!
Arnaldo Radiadores
Loctem
Dinheiro por Jóias
Almix
Racismo

Filha de paciente acusa médica de racismo: ‘Merece tomar umas chibatadas na cara’

Mulher registrou boletim de ocorrência; profissional nega as acusações

21/06/2022 09h16
Por: Redação

Com Itasat

A filha de um paciente acusa uma médica da Upa Joanico Cirilo de Abreu, em Ribeirão das Neves, na Grande BH, de racismo contra o pai, de 50 anos. O caso ocorreu nessa segunda-feira (20), quando a filha acionou a Polícia Militar (PM) e registrou boletim de ocorrência. Consta no registro policial que a médica disse que o paciente deveria receber ‘chibatadas’ por não tomar remédios para controlar a pressão arterial de maneira correta. A profissional de saúde ainda teria relacionado o risco maior de ele ter um Acidente Vascular Cerebral (AVC) com a cor da pele do paciente. A médica nega as acusações.

De acordo com o boletim de ocorrência, os insultos ocorreram durante orientações da médica para alta do paciente. “(Ela) passou a mão por diversas vezes na própria pele de um dos braços e gritou: ‘negro não é igual a branco, a pele do negro igual à do senhor, a tendência é o coração explodir! Pum! O branco envelhece mais rápido, mas o negro não envelhece por causa da pele!", teria dito a médica.

Após o paciente admitir que não estava tomando a medicação corretamente mesmo com esposa deixando tudo separado na mesa da casa, a profissional teria falado: "Tá vendo! Você tem é uma escrava! Você merece tomar umas chibatadas na cara!".

Nesse momento, conforme o boletim de ocorrência, a filha do paciente teria alertado a médica. "Oh doutora! O que a sra. fez é racismo! A senhora acha que sou leiga? Eu sei o que significa o termo chibatada!"

Médica nega

Aos militares, a médica negou as acusações e garantiu que orientou a filha e o paciente com base em critérios técnicos e científicos. Nesse sentido, ressaltou que pessoas negras têm mais risco de ter problemas relacionados à pressão arterial.

A profissional de saúde disse ainda que foi ameaçada pela filha do paciente. "Eu ainda vou ganhar um dinheiro em cima disso!", relatou a médica aos policiais.

Além disso, a filha do paciente teria insuflado outros pacientes contra a médica. "A meu pai não é criolo! A médica é racista! Isso é crime! Todo mundo tá vendo!", consta na ocorrência.