Ótima
Cartão de Todos
Arnaldo Radiadores
Chama!!!
Torneamento São Geraldo
Forte Vidros
Digital Graph
Ronaldo Cardans
Ramses
IPTU PRORROGADO
Loctem
Breno Campolina
Quality Ópticas
Casa da Arte
Helton Vidro Car
Sicoob
Otica Santa Luzia
Evite Queimadas!
Ótica Pontual
Auto Rodas
Motociclista use capacete
Locmaqfer
Cooperlíder Proteção Veicular
Dinheiro por Jóias
Homeopatia São Lucas
Escritório Jucema
Almix
Autorização

Empresas aéreas são liberadas para retomar serviço de alimentação de bordo em voos domésticos

Medidas foram tomadas após o decreto que deu fim à Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN)

13/05/2022 11h28
Por: Redação

Por Itasat

A diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nessa quinta-feira (12), a flexibilização das medidas sanitárias em aeroportos e aeronaves. De acordo com o órgão, as atualizações foram feitas após a decretação do fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN) em decorrência da Covid-19. 

De acordo com as novas normas, está permitida a volta do serviço de bordo, a retirada da máscara para alimentação e o retorno da capacidade máxima de passageiros no transporte para embarque e desembarque pela área remota. 

A obrigatoriedade do uso de máscaras dentro do avião e nas áreas restritas dos aeroportos continua mantida, além do desembarque realizado por fileiras e os procedimentos de limpeza e desinfecção de ambientes e superfícies. O distanciamento físico continua recomendado sempre que possível. 

Europa 

Na última quarta-feira (11), a Agência Europeia para a Segurança da Aviação (Easa) e o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças informaram que, a partir da próxima segunda-feira (16), deixam de recomendar máscaras obrigatórias em aeroportos e voos.

Em comunicado conjunto, a Easa e o ECDC afirmaram que vão "retirar a recomendação de uso obrigatório de máscaras médicas nos aeroportos e a bordo de voos". Lembram, no entanto, que "a máscara facial continua a ser uma das melhores proteções contra a transmissão" do SARS-CoV-2, especialmente para pessoas mais vulneráveis.