Carioca
Ronaldo Cardans
Espetbet 6
Sicoob
Auto Rodas
Forte vidros dois
Espetbet três
Clinica Dois
Espetbet 1
Arnaldo Radiadores
Escritório Jucema
Casa da Arte
Breno Campolina
Espetbet 4
Dinheiro por Jóias
Ramses
Homeopatia São Lucas
Quality Optcas
Chama!!!
Agrotop Novo
Espetbet
Ótima
Otica Santa Luzia
Cooperlíder Proteção Veicular
Espetbet dois
Ótica Pontual
Loctem dois
Digital Graph
Torneamento São Geraldo
Assassinato

Defesa de delegado que matou caminhoneiro em briga de trânsito acredita ser positivo o laudo liberado pela Polícia Civil

A defesa de Rafael de Souza Horácio afirma que o delegado agiu em legítima defesa

15/09/2022 10h12
Por: Redação

Com Itasat

Advogados da família de Anderson Cândido Melo e do delegado Rafael de Souza Horácio repercutiram as conclusões do laudo liberado nesta quarta-feira (14), que confirmam que o motorista do caminhão não acelerou o veículo na direção do delegado. Ainda assim, a defesa de Rafael Horácio acredita que as descobertas podem ser positivas para o delegado da Polícia Civil, que se encontra preso por ter atirado e matado o caminhoneiro.

O caso aconteceu no último dia 26 de junho, na avenida do Contorno nas imediações do Complexo da Lagoinha, quando Anderson e Rafael se envolveram numa briga de trânsito que acabou resultando na morte do caminhoneiro. O laudo técnico feito pelo Instituto de Criminalística da Polícia Civil mostra com diversas provas científicas grande parte da confusão que envolveu os dois veículos, o caminhão de reboque e a viatura descaracterizada Honda CRV.

O laudo detalha que houve uma batida entre os dois veículos, evidenciada pelos danos do para-choque do caminhão e na viatura. Entretanto, alguns outros danos da viatura seriam de antes do acidente. O documento também aponta que o caminhão não chegou a acelerar em direção a Rafael nos momentos antes do disparo. O delegado alega que atirou contra Anderson em legítima defesa.

Contudo, o laudo pericial aponta, também, que o veículo estava ligado, engrenado na primeira marcha e sem o freio de mão puxado na hora em que o disparo aconteceu. Além disso, o veículo teria dado um tranco em algum momento, mas não fica claro se foi antes do disparo.

A defesa da família de Anderson acredita que o laudo mostra ser mentirosa a versão do delegado. O advogado Raphael Nobre reforça, ainda, que não houve colisão entre os dois veículos: “não existiu essa colisão, até porque o para-choque do caminhão está pra fora. Vamos pedir um esclarecimento maior do perito, pelo fato do para-choque estar para fora. Se tivesse sido uma batida, ele deveria ter um afundamento pra dentro”.

Já a defesa de Rafael Horácio afirma que o laudo reforça a versão de legítima defesa apresentada pelo delegado. Para o advogado Fernando Magalhães, o fato do caminhão estar engatado demonstra que havia uma intenção de atropelar o delegado. “O veículo [caminhão] estava engatado, com marcha acionada, freio não puxado e estava ligado, o que demonstra nitidamente que tinha, sim, a intenção de avançar com o veículo para cima do delegado”, ressalta Magalhães.

O advogado também revela ter convicção de que houve uma colisão entre o caminhão e a viatura de Rafael: "Nenhum dos dois veículos tinham dano e, logo após a batida, tinha para-choque amassado em duas localidades, ausência de placa e a viatura ficou danificada. Isso leva à conclusão óbvia de que o motorista [Anderson] não parou, seguiu o seu caminho e aí, quando obstaculizado, ainda tinha a possibilidade de avançar contra o doutor Rafael, que se defendeu.”

O inquérito já foi concluído e o caso agora segue para a justiça. O delegado Rafael Horácio está detido na Casa de Custódia da Polícia Civil, no bairro Horto.